A quem fica

19:59


A quem fica,

Não esqueça a saudade. Ela aperta. Dói. Mas a deixe lá, no seu lugar. É chato, eu sei. Aqui as coisas podem piorar, ou continuar iguais, tão azucrinantes que dá vontade de ir embora também. Se eu ao menos pudesse levar um pedaço de cada ser daqui, eu pegava uma mala maior. Cada pessoa me lembra algo bom. Pode lembrar até duas, três, ou muitas coisas boas, mas há sempre aquela característica que te marca e te faz lembrar. Sua risada escandalosa pode fazer falta, assim como o ronco de quem dorme perto todos os dias ou a cara de mau humor daquele parente que você certamente não escolheu. Terão dias em que pagaria para ver aquela careta descontraída.

Lembre-se que eu voltarei. Talvez aquele lugar o qual eu preenchia fique tão vazio que você encontre substituição. Mas, depois, precisarei de um espaço para me acostumar com a rotina esquecida. Tudo que eu achar lá, lá ficará. Roupas novas, com certeza trarei, mas nada que respire ou me conforte. Se for astuta, no máximo, trago um pastel de Belém clandestinamente, o mais próximo de consolo.

Tente atender a ligação naquela noite de sexta-feira. Aqui, não faltam companhias. Lá, talvez os laços não estejam tão estreitos, ou mesmo nunca serão. A série no quarto alugado temporariamente talvez não pareça o suficiente. Se vir uma chamada gratuita de whatsapp, por favor, se esforce para não recusar. Quando eu esquecer as horas de diferença e te chamar no meio da madrugada, não se irrite por completo. Se isso acontecer ao inverso, brigarei, assim, só de primeira, porque no fundinho estarei agradecida por todos os 'ois' e 'como estão as coisas'.

Entenda que não levarei tudo de mim. Entre sotaque que mais parece outro idioma e clima estranhamente marcado, minha cabeça será levada constantemente pra cá, pra você, pra eles. A saudade, eu sei, não me dará folga para um dia livre de preocupações com quem fica. 

Você também poderá gostar

0 comentários